13ª Feira do Livro de São Luís exalta cultura maranhense por meio do patrono e homenageados do evento

O escritor Aluísio Azevedo é o patrono da 13ª FeliS, que traz como homenageados Rosa Mochel e Dreyfus Azoubel; o evento inicia nesta sexta-feira (11), no Multicenter Sebrae

A Feira do Livro de São Luís (FeliS) já homenageou, como patrono, grandes expoentes da literatura maranhense e brasileira. Para esta 13ª edição, traz o tema: “O Brasil Atemporal na Obra de Aluísio Azevedo”, tendo como patrono Aluísio Azevedo, escritor reconhecido pelos pesquisadores e literatos como aquele que, a partir do romance 'O Mulato' (1881), iniciou o Movimento Literário Naturalismo no Brasil. Além disso, serão homenageados os também maranhenses Rosa Mochel e Dreyfus Azoubel, ambos comemorando o centenário de nascimento. O evento será aberto nesta sexta-feira (11) e prossegue até o dia 20 de outubro, no Muticenter Sebrae, Cohafuma, com programação toda gratuita, das 10h às 22h.

Aluísio traz em si a inquietude e o incômodo das questões sociais, políticas e econômicas num contexto histórico de transformações profundas provocadas pela ascensão do capitalismo, a vontade de uma sociedade republicana, as relações com imigrantes e a abolição da escravatura em obras literárias de grande impacto pela linguagem.

“Escolhemos este patrono pela sua relevância dentro da literatura. Durante o evento, escritores da atualidade irão trabalhar a sua temática, mostrando que ele foi um escritor atemporal e que a leitura deve ser vivenciada na contemporaneidade”, pontua o secretário municipal de Cultura, Marlon Botão.

Um dos espaços de destaque da FeliS é o Auditório Aluísio Azevedo, que receberá durante todos os dias palestras, apresentações artísticas e demais atividades com temáticas relacionadas ao patrono e homenageados. Um dos convidados é o poeta, ficcionista, tradutor e crítico literário brasileiro, Carlos Nejar, que ocupa a cadeira de Aluísio na Academia Brasileira de Letras e é membro da Academia Brasileira de Filosofia, já foi indicado ao Prêmio Nobel e é um dos principais tradutores de Pablo Neruda.

Além de Carlos Nejar, o Auditório Aluísio Azevedo vai receber palestras de outros nomes nacionais como Djamila Ribeiro, Conceição Evaristo, Lopito Feijó, Ninfa Parreira, Sônia Rosa, Milton Marques Júnior, Salgado Maranhão, Sérgio Luís e Renata Barcelos. Cristóvão Tezza, outro autor nacional, realiza palestra no Auditório FeliS.

MEMÓRIAS

Os homenageados Rosa Mochel e Dreyfus Azoubel terão uma exposição para mostrar suas memórias e objetos que pertenceram a eles, com registros textuais e fotográficos. A professora Claudett de Jesus Ribeiro, que foi aluna e amiga de Rosa Mochel, recebeu da família Mochel uma doação dos documentos pessoais da homenageada, entre poemas, texto para teatro e outros escritos que nunca chegaram a ser publicados. “Iremos lançar este material durante a Feira, reunindo essas memórias e acervo em um formato para ser publicado e distribuído às escolas públicas do município”, acrescenta o secretário Marlon Botão.

A homenageada Rosa Mochel Martins foi professora, geógrafa, historiadora e engenheira agrônoma, uma mulher que muito contribuiu para o desenvolvimento do Maranhão. Já Dreyfus Azoubel, “Dedé Azoubel”, como era conhecido pelos familiares, foi o primeiro repórter fotográfico do Maranhão. Trabalhou em vários jornais da capital. Na década de 1930, com apenas 12 anos de idade, entrou para o jornalismo fotográfico, profissão que durou 70 anos. A programação da Feira do Livro de São Luís pode ser encontrada no site www.feiradolivrodesaoluis.com.br.